FANDOM


Otaku (em japonês: おたく) é um termo usado no Japão que se refere à um fã de um certo assunto em especial, não importando qual. No Japão, a maioria dos otakus são pessoas que tem obsessão por qualquer hobby. Já no ocidente, usa-se esse termo para se referir à fãs de anime ou mangás, aí se percebe a mudança do termo tratando-se do idioma. Muitas pessoas que gostam de anime acham esse termo ofensivo e se recusam a serem chamados deste jeito. Ele só é utilizado em comunidades de fãs de anime e conhecedores do idioma japonês.


No Japão Editar

O termo otaku significa, originalmente, uma forma respeitosa de se referir à um indivíduo. O cronista e humorista Akio Nakamori observou que a palavra era muito usada entre fãs de animes e mangás e popularizou em meados de 1989, quando usou em um dos livros dele. Este livro, M no jidai, falava sobre um assassino em série que se viu obcecado com Hentai e reescrevia as histórias estuprando garotas. Foi baseado em um assassino real Tsutomu Miyazaki. Naquela época, foi criado um tabu e o termo passou a ser usado para definir quem se vê obcecado em algum assunto em especial.

Com o tempo, surgiram diferentes "grupos" de otaku, que se identificavam de acordo com seus interesses em comum. Algumas delas são:

  • anime otaku (animação japonesa)
  • mangá otaku (histórias em quadrinhos)
  • gēmu otaku (videogames)
  • pasokon otaku (computadores)
  • gunji otaku (armas e coisas militares)
  • tetsudō otaku (miniaturas, como trens de brinquedo)
  • auto otaku ou jidosha otaku (carros, em especial os kei-jidosha e demais modelos destinados ao mercado interno japonês)

Otaku pode também significar hikikomori quando a obsessão à um determinado assunto chega no limite e a pessoa se isola da sociedade.

No Ocidente Editar

Nos Estados Unidos, a palvra se popularizou em 1992 com o anime Otaku no vídeo (uma mistura de anime e documentário que mostra a vida de fanáticos por animes) e foi dito pela revista Animerica como um adjetivo para identificar alguém fanático por animação. Assim como aconteceu com os trekkers, os otakus foram considerados uma subdivisão da subcultura nerd e o termo passou a ser usado de forma pejorativa, referindo-se aqueles que são totalmente fanáticos por um elemento dessa subcultura, no caso, retratando animações e mangás. O termo foi sendo popularizado junto com os animes, e com a Internet ele foi se espalhando pelo mundo e o sentido se modificando pouco a pouco.

Mesmo que em muitos países o termo otaku seja usado como sinônimo para fã de animes e mangás, em muitos lugares ainda se utiliza o seu significado original, como por exemplo, na Austrália. É necessário certa cautela quanto ao uso do termo, pois a multiplicidade de sentidos que ela possui pode gerar conflitos desnecessários.

No Brasil Editar

A palavra foi introduzida primeiro no Brasil por cause de memberos da colônia japonesa, mas ainda considerava o tratamento respeitoso. Porém, o significado mais novo foi introduzido na época da "explosão" de dekasseguis, ocorrida no final da década de 80, quando o termo já tinha obtido seu jeito pejorativo e o fluxo de dekasseguis do Brasil para o Japão se intensificou.

Porém, a popularização do termo, e em certa medida até mesmo dos animês e dos mangás no país se deu graças a primeira revista especializada de animes e mangás no Brasil — a Animax. Em tal revista utilizou-se provavelmente pela primeira vez a palavra otaku no mercado editorial brasileiro para agrupar pessoas com uma preferência por animação e quadrinhos japoneses. Como pôde ser percebido mais tarde, o significado original do termo e a visão pouco favorável que a sociedade japonesa tinha dos otaku não foi citada: o termo fora citado na Animax como sendo somente um rótulo utilizado por fãs de animês e mangás no Japão, e este foi o estopim da grande polêmica.

A omissão de explicações precisas sobre o termo e a posterior popularização de seu sentido já distorcido teve repercussões logo de início: fãs de animês mais velhos e membros da comunidade japonesa que conheciam o sentido original do termo otaku antes da popularização do mesmo foram os primeiros a protestar contra a popularização da distorção do significado da palavra, sendo prontamente rotulados de antiotakus, por supostamente "transformar o termo em algo pejorativo". As discussões sobre o termo dentro da comunidade de fãs de animês se iniciaram, sendo esta a primeira possível polarização aceitável como tal dentro da comunidade: muitos membros se denominavam como "fãs de animês" em tentativa de escapar do rótulo de otaku, por saberem do significado pejorativo que a palavra carrega e admitirem tal significado como o correto; enquanto outra parte se denomina prontamente como otaku e prega que não há sentido pejorativo na palavra.

As discussões continuam até o momento presente, em locais que vão desde fóruns especializados em animês e mangás a comunidades no Orkut, mostrando ainda um traço de polarização em relação ao termo e nenhuma conclusão em definitivo sobre o mesmo. Nos últimos anos, porém, é cada vez mais comum ver programas através dos meios de comunicação utilizando a palavra otaku em seu sentido alterado, posto que a grande maioria não conhece a história do termo, e são justamente estes que recebem mais atenção da mídia.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.